Artigos

Diretora Nacional da Educação destaca importância do “Selo de Qualidade em Educação” na melhoria da qualidade do ensino

A diretora nacional da Educação, Sofia Figueiredo, considerou, hoje, o concurso “Selo de Qualidade em Educação” um “instrumento fundamental” para a melhoria da qualidade da educação a nível nacional.

Sofia Figueiredo, que falava na cerimónia de assinatura de um protocolo entre o Ministério da Educação e as entidades amigas e parceiras do projecto “Selo de Qualidade em Educação” na sua segunda edição, aproveitou para enaltecer a contribuição dos parceiros no processo do concurso.

Neste particular, prometeu que o Ministério da Educação pretende reforçar o seu empenho para uma melhoria continua do concurso, em categorias e áreas especificas como incentivo a um processo de melhoria continua.

“O ministério tem a preocupação de melhorar o processo a cada ano lectivo, pelo que temos incentivado as escolas e agrupamentos para que o processo seja melhorado durante o ano lectivo a cada concurso realizado”, disse, referindo-se sobre as melhorias constatadas a nível da participação das escolas no concurso.

Conforme aquela responsável, o grande desafio do concurso consiste no reforço do projecto educativo de escolas e agrupamentos escolares que concorrem, pois, o selo representa a culminância do programa e a premiação de um trabalho desenvolvido ao longo do ano.

Para Sofia Figueiredo só é possível medir a qualidade educativa se os alunos responderem positivamente aos estímulos e aos momentos de avaliação aplicados ao longo do ano lectivo.

Sofia Figueiredo informou que para a segunda edição do concurso “Selo de Qualidade em Educação”, a ter lugar no dia 05 de outubro, na Assembleia Nacional, foram nomeadas quatro categorias: “Ler Mais”, “Inclusão e Cidadão”, “Desporto e Saúde” e “Ambiente e Artes”.

No concurso, cuja iniciativa é da Direção Nacional da Educação, fez saber, inscreveram a nível nacional um total de 84 instituições educativas públicas e privadas, dos ensinos básico e secundário, e entre elas, 29 concorreram como agrupamentos de escolas.

Explicou, ainda, a imprensa que o júri nomeado para a segunda edição do concurso é de âmbito nacional que analisou todos os projectos de candidatura e escolheu os melhores de entre todas as categorias.

“Nesta edição vamos premiar os dois primeiros lugares de cada uma das categorias. A primeira edição em 2018 premiou apenas um primeiro lugar”, frisou.

Dos parceiros do Ministério da Educação destaca-se a Unitel T+, parceira ouro, a Direcção Nacional do Ambiente, a Caixa Económica de Cabo Verde, a Bolsa de Valores e Banco de Cabo Verde como parceiro prata e Tipografia Santos, Neuce, vivo Minimercados e Pão Quente como parceiros bronze.

Em nome dos parceiros da do Ministério da Educação, o representante da Unitel T+, Erci Pain, destacou a importância de se premiar a educação, visto que uma “educação de excelência” é importante para qualquer país.

“A educação por ser um dos pilares da nossa marca laranja é muito importante que ajudemos na promoção da qualidade e inclusão das pessoas em Cabo Verde”, disse.

O concurso “Selo de Qualidade em Educação” tem como finalidade contribuir para a melhoria da qualidade da educação em Cabo Verde através da divulgação de boas práticas que as instituições educativas têm vindo a desenvolver, com vista a transformarem-se num espaço que promova não só a educação, mas também a saúde, o desporto, as línguas, a inclusão, a leitura, o respeito pelo ambiente, a inovação, entre outros.

A Escola Mira Flores, na Cidade da Praia, foi a grande vencedora da primeira edição do prémio “Selo de Qualidade em Educação” em 2018.

SAPO c/Inforpress

18.09.2019